Your address will show here +12 34 56 78
Dicas Canadá

Você acabou de chegar e quer conhecer tudo! A vontade de pegar um carro e sair dirigindo pelo Canadá é grande, mas espere um pouco: existem regras e cuidados a serem tomados. Não se preocupe, estamos aqui para tirar suas dúvidas sobre dirigir no Canadá.

Um aspecto que você deve sempre manter em mente é a questão das províncias canadenses. Aqui, cada uma tem uma certa independência, ou seja, as regras para dirigir em Vancouver podem ser totalmente diferente do que as regras para dirigir em Toronto.


Preciso de carteira de motorista internacional ou posso utilizar a habilitação do Brasil?

Carteira de Habilitação Brasileira

A resposta é: Depende.

Está apenas visitando o Canadá? Então sim, com o visto de turista (ou eTA) você pode dirigir sem problemas por até 6 meses.
Vai ficar por aqui por mais de 3 meses, com outro tipo de permit? Aí você tem que ficar ligado em algumas regrinhas. E essas regras variam de acordo com a província.
Em British Columbia, com work permit, você pode dirigir até 90 dias com a sua carteira de motorista do seu país de origem, contados a partir do momento da sua chegada no Canadá. Após esse período, é preciso ter uma habilitação emitida pela província.

Ah! Mas você fechou um pacote de estudos superior com a Canucks? Então temos boas notícias! Em British Columbia, se você está estudando em uma dessas faculdades reconhecidas pelo Governo Canadense, você pode dirigir com a sua habilitação nacional durante o período do seu curso. Mas atenção: Sempre que for pegar a estrada, tenha em mãos sua habilitação traduzida oficialmente e sua carteirinha de estudante!

Já na província de Ontario, as regras são um pouco diferentes – o período que você pode dirigir com a sua carteira de motorista original com work permit é de apenas 60 dias – depois, você precisa de uma licença da província ou a Carteira de Habilitação Internacional para Dirigir (PID). Atenção: se você quiser ter uma PID, deverá solicitar no seu país de origem, antes de chegar em Ontario – ela não pode ser feita na província.

 

Posso tirar a carteira de motorista canadense?

Pode sim! Mas as regras variam de acordo com a província, então sempre preste atenção!


Em British Columbia,

Você deve se direcionar até uma das várias agências da ICBC com os seguintes documentos:
       – 2 tipos de identificação oficial, como sua work ou study permit e seu passaporte. Ou sua identidade brasileira (cnh ou rg) e seu passaporte. Desde que pelo menos uma delas possua uma foto e as duas sejam originais e oficiais.
       – Sua habilitação atual original.
       – Seu histórico de Habilitação – você consegue obtê-lo no site do Detran, na seção “Consulta de Pontos”. Contudo, para ser aceito pela ICBC, você também precisa de uma tradução juramentada desse documento.

Atenção: a sua Carteira Nacional de Habilitação fica retida na agência durante o seu processo.


Em Ontario:
Você deve ir até um DriveTest Centre e levar, além da habilitação original, um documento que contenha:
       – Seu nome legal
       – Data de Nascimento
       – Assinatura

Diferente do Brasil, você não é obrigado a ter aulas teóricas e práticas para emitir sua carteira de motorista canadense, mas você tem que saber o suficiente para passas nas provas, né? 😉

E assim que você passa na prova teórica você já pode dirigir – se você tiver alguém habilitado no carro junto com você.


E quanto custa?


Em British Columbia,

  • A habitação em si custa em torno de $31,00 dólares canadenses, e esse valor é pago somente uma vez.
  • O knowledge test (prova teórica) tem o valor de CAD $15,00 – Você paga esse valor a cada vez que for fazer a prova, isso é, se passar de primeira, só paga uma vez 😉
  • Já o road test (prova prática) é em torno de CAD $50,00, e assim como o knowledge test, você paga a cada vez que precisar fazer o exame.
  • Por fim, o exame médico, com o custo de CAD $28,00.

Assim, se você passar em todos os testes na primeira tentativa, em British Columbia, o custo da habilitação será em torno de CAD $124,00.


Em Ontario,
é um pouco diferente de BC – ao invés de pagar a cada etapa do processo, você paga por “pacote”- parecido com o processo no Brasil. Para aqueles que tem mais de 2 anos de habilitação, o gasto é:
  • Habilitação + Knowledge test (prova teórica) custa cerca de $106,00 dólares canadenses
  • G2 Road Test (prova prática equivalente à categoria B no Brasil) tem o valor de aproximadamente CAD $54,00.

Portanto, em Ontario, a carteira de habilitação custa em torno de CAD $160,00.


Qual a idade mínima para dirigir no Canadá?

Crianca e carro


Adivinhem? Depende da província!

A maioridade no Canadá é de 19 anos, mas em British Columbia e Ontario, você pode aplicar para o processo a partir de 16 anos, se tiver a autorização dos pais ou de um guardião legal.


E as regras de trânsito? São diferentes das do Brasil?

Em sua maioria, sim! Nada de virar sem dar seta!

Mas existem sim algumas diferenças: Por exemplo, conversões à esquerda no farol vermelho ou faixa dupla são permitidas – a não ser quando há uma sinalização ou placa de trânsito indicando o contrário – Lógico que com muito cuidado!
Se você estiver no aguardando para fazer uma conversão e o farol ficar amarelo ou vermelho, não se desespere, você pode terminar sua manobra independente do farol.

Limites de velocidade:

É aqui que os desavisados podem ter problemas.
Aqui também existem câmeras de radar, mas nem todo lugar vai ter placa com indicação do limite de velocidade da pista.
Quer evitar uma multa? Então memorize os limites padrão – a não ser que exista uma placa indicando outro valor, são esses que você deve seguir:
       – Zonas Urbanas: 50 km /h
       – Rodovias secundárias: 80 km /h
       – Auto-estradas: 100 km/h


Ok, mas e se por acaso eu levar uma multa? Como funciona?


Aqui, igual ao Brasil, existe um sistema de pontos: dependendo do tipo de multa, você acumula um certo número de pontos na sua carteira de habilitação canadense. Em Ontario, com mais de 15 pontos, você corre o risco de ter sua carteira de motorista suspensa por 30 dias.

Em British Columbia, contudo, não há um número “máximo” de pontos – a cada 12 meses você é avaliado pelo governo, e quando mais alta a sua pontuação, maior a taxa do Driver Penalty Premium você deve pagar. Você pode ter a carta de motorista suspensa ou revogada se levar alguma multa considerada criminal. 


Socorro, o que são esses símbolos? As placas são diferentes?

Embora os sinais e as placas de trânsito sejam bem parecidas com as do Brasil, ou um tanto quanto intuitivas – algumas podem parecer estranhas para nós – por acaso já viu avisos de snowmobile nas estradas brasileiras?
Seguem alguns exemplos para te ajudar em suas viagens (Você pode acessar o guia completo de Ontario e British Columbia)

Road Signs Canada


E o Sistema CarShare? O que é?



Se você precisar se deslocar de carro dentro da cidade, você não precisa ir até uma locadora oficial de veículos – aqui o sistema CarShare é muito popular. Conhece? Não?

É um esquema de carros compartilhados. Os mais famosos até o momento são: Evo e Car2Go.

Como funciona: Há vários carros disponíveis e espalhados pela cidade. Você baixa o aplicativo, se cadastra (seu perfil será avaliado e sujeito à aprovação) e escolhe o veículo mais próximo de você (ou qualquer outro, a decisão é sua 😉 ). Aí é só entrar, dar a partida e dirigir até seu destino, estacionar o carro e seguir com a sua vida. (Os lugares permitidos para estacionar variam de acordo com o aplicativo escolhido, é importante checar as regras! O Evo por exemplo, permite a parada em lugares com parquímetro, já o Car2Go, não).


Mas e a gasolina?

No aplicativo, você consegue visualizar o nível do tanque de combustível atual do carro – mas, caso você precise reabastecer, eles te reembolsam!


Ok, mas vale a pena o custo?

Logicamente, depende do aplicativo, do tipo de carro que escolher e o quanto você utilizar o serviço.
A cobrança é feito por minuto, hora, ou dia. *
  • Por minuto: cerca de CAD $0.40 – $0.50
  • Por hora: cerca de CAD $14.00 – $19.00
  • Por dia: cerda de CAD $89.00 – $130.00


*Esses valores são apenas uma base e pode ter variações.


Legal! Mas eu posso dirigir?

As regras para o uso desse serviço são as mesmas de dirigir no Canadá – ter uma habilitação oficial canadense ou uma carta de motorista traduzida oficialmente – aí, você poderá enviar seus dados para o serviço CarShare que escolher, e então, caso for aprovado, só pegar o volante!


Eu quero ir mais longe. O que eu preciso para alugar um carro?

Car on Road


Não vai ficar apenas pela cidade? Prefere alugar um carro com uma locadora? Não tem problema! Inclusive, se você tiver algum tipo de restrição que te impeça de usufruir das outras formas de locomoção por aqui, esse pode ser o método mais fácil.
A maioria das agências de locação aqui não exigem a sua carteira de habilitação traduzida – basta ter mais de 21 anos de idade, a sua carteira original e seu passaporte.

Aonde eu faço a reserva?

Existem várias locadoras pelo país – a certa para você depende do local de visita, do tempo que pretende ficar com o automóvel, o tamanho, e sua preferência! Mas temos 2 dicas simples para você
Quanto antes, melhor! Os preços costumam ficar mais altos quanto mais próximo da data de reserva.
Site amigo: Aqui você faz sua busca e ele te dá várias agências de locação de carros e comparação de preços que compreendem suas preferências!

E se eu passar em um pedágio, como eu pago?

Nada de contar moedinhas, as estradas daqui contam com um sistema eletrônico de reconhecimento de placas – a cobrança é feita de forma automática!

E então, preparado para pegar a estrada no Canadá? Entre em contato conosco e podemos te ajudar nessa aventura 😉

0

Dicas Canadá

Dia 10 de Outubro foi comemorado o Dia Mundial da Saúde Mental – assunto tão importante mas ainda pouco comentado. E mudar de país pode ser maravilhoso, mas muito desafiador. Diversas vezes nos deparamos com novos hábitos, costumes e culturas que devemos tornar parte de nossas vidas – e essa transição pode nos afetar mais do que pensamos.

 

Para te ajudar nessa nova fase de sua vida no Canadá, nós, da Canucks Intercâmbio, junto com duas especialistas, a psicoterapeuta Paula Coutinho e a nutricionista Vanessa Montagner, juntamos 10 dicas para você manter uma sua mente saudável.


1. Se valorize!

Sabemos que a vida de um intercambista pode ser estressante – entre aulas, turismo, e por vezes, trabalho. Mas nossa mentalidade e as conversas que temos conosco são um dos aspectos mais importantes do nosso bem estar geral. Muitas vezes somos muito duros com nós mesmos, menosprezando nossas conquistas e até desistindo de oportunidades pois a voz interior insiste em dizer que não somos capazes ou bons o suficiente. Tais pensamentos podem ter uma força maior do que imagina. Lembre-se: Não diga para si o que não diria para seu melhor amigo!


2. Esteja Presente – e consciente



Muitas pessoas saem em busca da “felicidade” – e os estudos são claros: praticar a atenção plena, a meditação e mindfulness fazem com que você consiga prestar atenção no momento presente, controlar suas emoções, e afastar os pensamentos negativos – te conecta com você mesmo. Em teoria pode parecer simples, mas requer muita prática e insight. 

3. Se envolva com as pessoas certas

casal se apoiando

“Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”

Esse antigo provérbio é famoso por um motivo. 

Todos nós somos feitos para conexões humanas. No entanto, todos sabemos que existem amigos que te ajudam a crescer, ficam felizes por suas conquistas, e fazem com que seja a versão melhor de si mesmo. Mas também há aquelas que fazem o contrário – sempre te colocando para baixo e te desmerecendo.

A psicoterapeuta Paula Coutinho deixa a dica: Dê uma olhada nas pessoas à sua volta e se pergunte se elas contribuem para o seu crescimento, ou impedem você de atingir os seus objetivos.

4. Durma com os anjos

Novamente, sabemos que a vida nova em um país novo pode ser um pouco caótica – assim, o descanso é uma mercadoria escassa. Ele é o primeiro a ser jogado de lado quando outras prioridades surgem em nossas vidas, seja estudo, trabalho ou socialização. Mas seu corpo e sua mente precisam de energia para trabalhar em sua capacidade total e lidar com os estresses do dia a dia. Então vá lá, vista seu pijama mais confortável, apague as luzes e tire uma boa noite de sono!


5. Dormiu? Agora acorde e faça exercícios!


Sim, nós sabemos – você está cansado de saber dos benefícios da atividade física. Você conhece alguém que desconheça tais vantagens? Contudo, são poucos os que realmente criam uma rotina e hábitos regulares de exercícios. O lema aqui deve ser: Menos promessas e mais ações. 

Não estamos dizendo que você precisa correr uma maratona, ou fazer um Iron Man – As pesquisas recomendam que de 20 a 30 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana já são suficientes para fazer proveito dos benefícios físicos e mentais da prática de atividades físicas.

Essa prática regular não faz bem apenas para seu coração e musculatura: também ajuda em uma ampla gama de problemas, desde estresse à ansiedade e depressão.

 

Chega de desculpas! Você não precisa pagar a mensalidade de uma academia chique ou um personal trainer caro – pegue um tênis e dê uma caminhada ao ar livre – aproveite para conhecer melhor a sua nova casa no Canadá 😉


6. Coma bem

alimentacao saudavel

Sobre a alimentação, a nutricionista Vanessa Montagner afirma “qualidade de vida começa de dentro para fora”. A profissional aconselha manter uma dieta equilibrada, rica em fibras, proteínas e vitaminas, evitando alimentos processados e industrializados. E durante esses meses de inverno no Canadá, como não temos muito sol, a tendência é ficarmos com níveis baixos de Vitamina D, sendo recomendada a suplementação. A deficiência dessa vitamina pode causar baixa imunidade, depressão, alergia, entre outros – então, atenção redobrada!


7. Ajude o próximo

Não é egoísmo – ajudar outras pessoas vai te fazer se sentir melhor consigo mesmo. Faça algum tipo de voluntariado, ajude aquela senhora a atravessar a rua – faz bem para todos os envolvidos!


8. Evite álcool e outras drogas

Quando sua saúde mental está debilitada, é tentador recorrer à substâncias químicas em busca de uma solução. Mas lembre-se: essas soluções, esse alívio será apenas temporário – e depois que o efeito passar, pode ser ainda pior para seu bem-estar.


9. Ache seu jeito de lidar com o estresse


Perceba que é o SEU jeito de lidar com o estresse, não UM jeito. Cada pessoa é uma pessoa – uns podem relaxar desenhando um quadro, outros com uma caminhada, ou um longo banho de banheira. Ache o que dá certo para você e insira em sua rotina.


10. Construa planos para seus objetivos

Ter um objetivo é sempre bom, mas é fácil de decepcionar se você prestar atenção somente no resultado final. Traça um plano: o que você pretende e PODE fazer para tornar esse objetivo realidade? Escreva (isso mesmo, pegue um papel e uma caneta) cada etapa do processo, e dê um passo de cada vez – cada etapa vencida é uma vitória!



BÔNUS: O mais importante – Não tenha vergonha de pedir ajuda!

Se você sentir que precisa de algum profissional para te auxiliar a melhorar sua saúde mental, saiba que pedir ajuda não é sinal de fraqueza, e sim de força! 


Paula Coutinho é psicoterapeuta formada com mestrado em Vancouver e registrada na British Columbia Association for Clinical Counselor (BCACC). Ela trabalha nos setores público e privado como terapeuta infantil e familiar. Confira o site dela @ www.psychotherapistroom.ca


Vanessa Montagner é nutricionista consultora, especializada em low carb diet atuando em Vancouver, BC. Para mais informações entre em contato  contact.vanessamontagner@gmail.com

0